já fizeram uma visitinha

Amazing Counters
- desde o dia 14 de Junho de 2007

quinta-feira, 1 de janeiro de 2009

Dia Mundial da Paz

1 de Janeiro de 2009
«Desejo, no início deste novo ano, fazer chegar os meus votos de paz a todos e, com esta minha Mensagem, convidá-los a reflectir sobre o tema: Combater a pobreza, construir a paz. (…) A disparidade entre ricos e pobres tornou-se mais evidente, mesmo nas nações economicamente mais desenvolvidas. Trata-se de um problema que se impõe à consciência da humanidade, visto que as condições em que se encontra um grande número de pessoas são tais que ofendem a sua dignidade natural e, consequentemente, comprometem o autêntico e harmónico progresso da comunidade mundial».

Da mensagem do Papa Bento XVI, para a celebração do Dia Mundial da Paz, 1 de Janeiro de 2009.

Que a alegria do dia festivo não oblitere a razão. Porque isso de sermos todos irmãos... Há uns mais irmãos que outros...

11 comentários:

Anónimo disse...

Um bom dia para todos. Um bom ano para o Calçadão. Um bom Ano para o concelho.Como concelho voltámos a ser o que éramos há uns anos. Conhecidos apenas pelo velho e centenário Carnaval. As tais festanças apesar dos rios de dinheiro gastos não nos trouxeram práticamente nada que melhorasse o concelho maior do Algarve. Ponham os olhos em Portimão. Pouco falado há uns anos atrás é hoje a grande capital algarvia dos acontecimentos mais interessantes. Só ontem à noite cerca de 100.000 pessoas acorreram ali. Por cá a noite do costume. O deserto debaixo de um grande nevoeiro. Apesar de todo o dinheiro gasto é o que se vê………. Bom ano para todos e que traga algo de palpável para esta terra onde se desbunda o nosso rico dinheirinho.
SANTOS

Màrio Rodrigues disse...

E ouviram hoje o Cavaco Silva? quem entregou o poder ao falso engenheiro? Quem é que anda há quatro anos com ele ao colo? Quem é que permitiu todos os ataques à democracia?
Quem entende estes tipos?

democrito disse...

Não desgostei da mensagem do presidente. concordo com as preocupações mas deveria ter falado nas desigualdades gritantes existentes na nossa sociedade entre ricos e pobres com uma classe média a caminhar para a pobreza, não fosse isso e a crise não nos atingiria de forma tão violenta, pois na expectativa da redução das exportações aumentariamos o consumo interno, mas como o dinheiro está na mão de poucas duzias de poderosos e com o povo nas lonas não é possivel aumentar o consumo interno para defender a economia e o emprego.

LMC - Porto disse...

Foi um discurso sensato, comedido, não tendo afrontado o governo e até renovando os "votos matrimoniais" com o PM. Para quem esperava uma sequela do infeliz discurso sobre o Estatuto dos Açores terá sido uma decepção. Mas a verdade é que Cavaco já tinha o terreno delimitado por declarações de Mário Soares e Sampaio, que vieram exigir aos vários responsáveis políticos mais solidariedade institucional face à grave crise Mundial que vivemos. Assim sendo, e vendo que a sua reeleição poderia vir a ficar comprometida, resolveu fazer um discurso consensual e responsável. E eu achei bem.

Setubalense disse...

Mas será que este PR ainda ilumina alguém? Nem a ele próprio,tantas são os 'autogolos' que marca.... Incrível como ainda ninguém reflectiu sobre a REAL CAPACIDADE deste PR! Mas o Bloco Central de Interesses ainda dita...muitos interesses!

Quarteirense das Pereiras em Lisboa disse...

Bom Ano para vocês também aí no Calçadão. Bem Hajam pela informação sempre atenta e actual que me vao trazendo da minha terra do sul....

Anónimo disse...

Que seja um bom ano para todos. E que as politicas locais tragam de novo ao concelho o prestigio que já teve e perdeu quando o Vairinhos se foi embora.
E que tanto o PS como o PSD encontrem bons candidatos para Quarteira porque com Josés Mendes, Ezequiéis ou Felipes já não vamos a parte nenhuma.
Sangue novo precisa-se. De gente que não venha com os defeitos habituais.
Abraços a todos.

Anónimo disse...

Viva a Quarteira!

R. G. T. disse...

Eu decidi fazer uma mini retrospectiva deste ano e compartilhar com os leitores do Calçadão de Quarteira. Aqui vai.

Devo dizer que os melhores do meu ano foram:

- ter sido roubada (furtada o caraças, o gajo que escreveu o Código Penal claramente nunca foi assaltado) - e porquê? Porque no momento em que me apercebi da falta da minha carteira, os 7 amigos que estavam comigo desataram a virar o restaurante de alto a baixo, vasculharam tudo e mais alguma coisa, inquiriram testemunhas, chamaram as autoridades, a Clara pagou-me o almoço (ainda te devo os 3 euros do Happy Meal), o Raul pagou-me a viagem de autocarro para Quarteira e ainda houve uma tarde inteira de tentativas de me fazer rir, desde as piadas, às fotos, à cantoria e à dança;

- receber um caderninho oferecido pelos meus amigos, no qual estes fizeram colagens e me deixaram várias mensagens;

- ter um Homem como namorado (e há pouca coisa que ele não saiba fazer bem... pronto, até há,mas lá boas intenções tem ele... valha-nos isso! ;p);

- ter recebido presentes durante todo o mês de Dezembro - não estou a ser materialista, apenas estou a dar valor a demonstrações de carinho e afecto que me chegaram por via material, ok?;

- receber uma máquina fotográfica super linda e potente e boa e jeitosa (não é uma gaja, é mesmo uma máquina);

- ter-me apercebido que a amizade é algo muito mais forte do que estar com alguém todos os dias, é discutir e resmungar, rir e chorar, reclamar e tolerar e no fim sentir um vínculo forte com essa pessoa. Tenho a imensa sorte de ter grandes amigos a quem vou descobrindo a cada dia que passa;

- ter deixado de confiar a 100% nas pessoas (obrigada N. e H.N.);

- ter aprendido com os erros, os meus e os dos outros (mais dos outros porque eu a modos que sou perfeita);

- ter aprendido que a estupidez dos outros nem sempre é uma coisa necessariamente má;

- ter terminado o curso;

- ter comprado mais sapatos do que em qualquer outro ano;

- ter ganho no karaoke e no euromilhões (são as 2 mentira mas o que conta é a maneira de como eu escolho lembrar-me das coisas);

- e muito, muito, muito mais mas agora estou com preguiça para pensar.

Rafinha

gatoescaldado disse...

O ano que aí vem não é, definitivamente, igual ao que vai ficar!

Anónimo disse...

Ó Rafinha...
Que pena teres esse "Homem". Tá-me cá a parecer que iamos dar-nos munto bem!