já fizeram uma visitinha

Amazing Counters
- desde o dia 14 de Junho de 2007

domingo, 8 de fevereiro de 2009

Bloco de Esquerda em convenção

retirar maioria absoluta a sócrates é prioridade
O coordenador da comissão política do Bloco de Esquerda, Francisco Louçã, encerrou este domingo a VI Convenção Nacional do BE a pedir a constituição de "uma grande esquerda" para garantir políticas anti-capitalistas, socialistas.

Para Louçã, 'o poder económico é a razão da crise' e a hora 'é de trabalho'. Por isso, no 'longo caminho' que há a percorrer para o BE, ficou a garantia de um programa de Governo para as eleições Legislativas, o pedido de 'cartão vermelho' nas Europeias contra o PS e o reforço autárquico com a possibilidade de apoiar movimentos de cidadãos.

A lista de Francisco Louçã reforçou a presença na Mesa Nacional do BE elegendo 63 elementos, mais um que em 2007, de acordo com os resultados da eleição na VI convenção do BE.

Fica expresso qual a grande prioridsade do BE para o país: retirar a maioria absoluta a Sócrates.

15 comentários:

Anónimo disse...

o manuel alegre mete-se com esta gente?
estes como todos os outros querem todos o mesmo: tachos!
O alegre vai ver com quem se anda a meter e vai deixá-los a xuxar no dedo

Eu disse...

Que foto essa, Zé Carlos! O Louçã até parece padre de aldeia!!!!!!!!!
rrrrrrrrrrr !

Anónimo disse...

Ai Louçã! Então já tens programa de governo e tudo????? Tás louco?
Nunca ouvistes a dizer que o ridiculo mata?

António Lourenço disse...

O bloco é o unico partido que vê a realidade como o pais está,o PS fez o que a direita nunca conseguiu - entregou os direitos aos ricos.

Gonçalves disse...

Se a DEMAGOGIA pagasse impostos, este rapaz não ganhava para os descontos.

Anónimo disse...

É bom saber que ainda há políticos lúcidos neste país.

Anónimo disse...

Com as medidas do Louca e que os investidores fugiriam de Portugal a 7 pes. Ng faz caridade empresas sao para fazer dinheiro.

Silva Lopes disse...

PCP está disponível para entendimentos!!!!
Esta esquerdalhada faz rir a bom rir...Porérm são como o Carrapato...não saiem do sítio em que estão...Só que ai ganham boa nota à custa dos democratas...e o o Carrapato anda às voltas na Lama....

Simões disse...

O Paulo Portas não faria melhor!!!!

Portuga disse...

Mais do que uma esquerda unida, precisamos de uma esquerda consciente e não é com este senhor que lá chegamos. É triste saber que as únicas causas que consegue (BE) apoiar para mobilizar as pessoas são meras perseguições às ideias comunistas mas disfarçadas, com muita inteligência. Se se quer unir a alguém e se quer confiança tente que o seu partido não seja um PCP disfarçado, tapando os olhos aos portugueses e fazendo com que acreditem que esta sua política é uma política alternativa. Não se arme em Obahma e pense que a história existe por alguma coisa e que não é o senhor que a vem mudar. A história é um ciclo... e os portugueses mais tarde ou mais cedo vão chegar a essa conclusão.

Sara disse...

Afinal não há uma crise económica, diz o Louçã. É uma crise da classe dominante!
Mas andamos a brincar?

Afinal é isto o que homem acha? Depois do à espera do Godot, do Fazenda de ontem, em pleno telejornal, paradigma do pretensiosimo e da burgesia pseudo-intelectual vem esta pérola do Louçã.

É mais honesto ir dar beijos para o mercado como o irmão do Portas.
Estou tão arrependido de ter votado nesta gente.

Anónimo disse...

Francisco Louçã vá-se preparando. Cá em casa há uma mão cheia de eleitores muito desiludidos com o bloco central e a pouca vergonha que vai nesses partidos. Tencionamos votar BE (Louçã e Ana Drago são os que nos inspiram mais confiança). Precisamos de gente honesta à frente de Portugal.

A. Reis disse...

"É QUE O HOMEM ESTÁ CONVENCIDO QUE FOI ELE QUE INVENTOU A ESQUERDA" O problema é outro, o que ele pretende com todo esse paleio da "esquerda grande" é que não nos lembremos que ele é líder partidário há 34 anos e que o partido dele nem 7000 filiados tem.

Ttius disse...

O problema não é de «esquerdas» nem de «direitas». No Parlamento uns e outros ganham todos o mesmo. O problema é de «escada». É que na escada aumenta o número de ricos lá nos degraus de cima e aumenta o número de pobres cá nos degraus de baixo. E são sempre os mesmos num e noutro lado!

Anónimo disse...

Se o BE ganhar as eleições algum dia passaremos a ser como Cuba mas sem o turismo e a investigação e a Venezuela mas sem o petróleo porque o "dinheiro" dos empresários vai-se todo para Espanha. Quem quer investir num país onde pagam mais uns do que outros? E passamos todos a ter famílias de dois pais e duas mães e os hospitais públicos passarão a ter listas de espera para curar as ganzas todas e os abortos por bebedeiras de noites de farra. Deus nos livre!